Empresa portuguesa regista patente de estação solar de carregamento rápido nos Estados Unidos

A empresa portuguesa Enforce obteve o registo definitivo, nos Estados Unidos, de uma patente da sua estação solar de carregamento rápido de veículos.

EnforceEsta solução foi totalmente desenvolvida totalmente pela empresa, em colaboração, mediante contrato de assistência técnica, com o Departamento de Engenharia Eletromecânica da Universidade da Beira Interior.

Segundo João Nuno Serra, CEO da Enforce, «este é um passo importante para alcançar também a patente definitiva na Europa. A Enforce tem igualmente pendente, desde 2012, a mesma patente em 38 países da Europa. Esperamos por isso ter a patente definitiva na Europa em breve».

A Estação Solar agora patenteada foi designada pela Enforce de InCh, significando uma polegada elétrica de carregamento rápido de VEs, representando também “in Charge”.

A Estação Solar de Carregamento InCh vem dar resposta à necessidade da existência de uma rede de carregamento de veículos elétricos, nomeadamente no que diz respeito ao carregamento denominado rápido (20 a 30 minutos), destinando-se a locais de acesso público e privado nomeadamente, parques de estacionamento de edifícios públicos e privados, e estações de serviço de combustíveis fósseis, locais estes onde a solução de carregamento lento não tem grande viabilidade, uma vez que este tipo de carregamento (6 a 8 horas) será feito maioritariamente durante a noite.

Com a estação InCh é possível num mesmo local produzir a energia elétrica necessária para alimentar os VEs, dado que é uma solução que integra a produção de energia através da tecnologia fotovoltaica, e a transformação de energia para o carregamento rápido das baterias DC existentes nos VEs.

Desta forma, o sistema integrado permite o aumento da eficiência energética global de uma rede de carregamento de VEs, comparativamente com uma rede análoga onde por cada ponto de carregamento não exista qualquer sistema de produção de energia.

A própria estrutura de suporte do sistema de produção serve de resguardo e de sombra aos VEs, minimizando-se assim a duplicação de material metalomecânico a usar para o efeito. Por outro lado, dado a concentração de ambos os equipamentos (produção e consumo de energia) existe uma partilha/rentabilização de toda a cablagem nas interligações do ponto de produção com os pontos de consumo. O mesmo acontece no que diz respeito à execução de bases de suporte em betão ou equivalente, para fixação da estrutura de sombra e suporte dos módulos fotovoltaicos.

Fonte: revista veiculos elétricos

Deixe uma resposta